Recompensa de até R$ 2 mil para quem denunciar poluição sonora

25/01/10

(Informações da Assessoria de Comunicação do Disque-Denúncia)

Como central de registro de informações, o Disque-Denúncia é um dos parceiros do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) na campanha Som Sim Barulho Não. O serviço receberá as reclamações da população sobre poluição sonora e fará o encaminhamento aos órgãos cabíveis. Também irá oferecer uma recompensa de até R$ 2 mil reais por informações que levem aos focos de sons abusivos comprovadas pela polícia.

Desde 2001, quando teve início o monitoramento de perturbação do sossego, a central recebeu 34.884 informações que tratam de sons ou ruídos abusivos. Com o lançamento da campanha do MPPE, em novembro do ano passado, o serviço passou a registrar, em média, sete ligações por dia tratando do tema.

O aumento foi de aproximadamente 30% nas ligações do ano passado em comparação com o total de 2008 na Região Metropolitana do Recife. Em Caruaru, no Agreste, o crescimento dos casos de poluição no mesmo período foi de mais de 50%. Ao todo, foram registradas 2.827 denúncias no estado em 2009.

Poluidores – O Disque-Denúncia também realiza estudos sobre o perfil dessas reclamações. De acordo com o levantamento, os horários da noite (44%) e da tarde (16%) são os mais barulhentos. Nos períodos da manhã (8%) e da madrugada (7%) também foram registradas denúncias. Outro dado importante é que em 18% das situações a poluição ocorre em qualquer hora do dia.

O barulho, em aproximadamente metade dos casos (46%), vem de casas. O vizinho é sempre um dos principais responsáveis. O ruído das ruas (carros-de-som, carrocinhas de CD), aparece em segundo lugar, com 25%. Os bares estão em terceiro, com 18%. As denúncias podem ser feitas pelo telefone 3421.9595, no Recife e Região Metropolitana, e (81) 3719.4545, no interior.

Recompensa – Para receber a recompensa, que varia de R$ 100 até R$ 2 mil, a informação deverá ser comprovada pela polícia. O anonimato de quem denuncia é garantido e a reclamação pode ser acompanhada a partir de uma senha fornecida pela central.

Dados

Relação por ano:

2008 – 1973

2009 – 2.827

2010 (20 primeiros dias de janeiro) – 146 (mais de sete por dia).

 

Locais de maior freqüência:

Casas – 46%

Via Pública (ruas) – 25%

Bares – 18%

Tipo de poluição:

Som alto – 91%

Latido – 2%

Jogos – 4%

 

Horários:

Noite – 44%

Variados (sem horário definido) – 18%

Tarde – 16%

Manhã – 8%

Madrugada 7%

 

Cidades:

Recife – 57%

Jaboatão – 13%

Olinda – 12%

Paulista – 7%

 

Ranking da poluição sonora por bairros do Recife:

Bairro Número de denúncias
Boa Viagem 1154
Casa Amarela 1141
Ibura 1104
Nova Descoberta 624
Boa Vista 581
Afogados 490
Iputinga 429

Veículos e agências de comunicação se unem ao MPPE no combate à poluição sonora

25/01/10

A mobilização do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) contra a poluição sonora entra numa nova fase nesta terça-feira (26) com o início de uma grande campanha de mídia que vai ao ar graças à adesão voluntária de agências e veículos de comunicação do Estado. Com o tema Som Sim Barulho Não, o material produzido pelas agências MartPet e Ítalobianchicom  usa o bom humor e a simplicidade para desfazer alguns mitos relacionados à poluição sonora e, principalmente, mostrar que o bom senso é a melhor pedida para evitar problemas.

A campanha foi apresentada à imprensa na manhã de hoje, em uma entrevista coletiva. Segundo as agências de comunicação, trata-se de uma iniciativa inédita no País com relação ao tema poluição sonora, pelo porte – mais de 90 profissionais trabalharam voluntariamente no planejamento e criação das peças – e pela adesão também voluntária dos meios de comunicação. Prestigiaram o evento os promotores de Justiça Ricardo Coelho, chefe de Gabinete do MPPE, e Aguinaldo Fenelon, secretário-geral da instituição.

São três VTs para televisão, dois jingles e três comerciais para rádio, quatro anúncios para jornal e cinco para outdoors. Todas as peças fazem referência ao site www.somsimbarulhonao.com.br, que entra no ar disponibilizando a íntegra da cartilha “Silento e o barulho”, desenvolvida pelo MPPE com orientações sobre a poluição sonora. Toda a campanha também indica o telefone do Disque-Denúncia (3421.9595) que se incluiu entre os parceiros do Ministério Público nesta mobilização, passando a ser o principal canal para recebimento das reclamações da população e seu encaminhamento aos órgãos responsáveis. Haverá recompensas de até R$ 2 mil para quem denunciar poluidores (saiba mais aqui).

Os seguintes veículos confirmaram participação na campanha: TVs Globo, Jornal, Clube, Tribuna e Universitária; rádios Jornal, CBN, Clube AM e FM e Rádio Folha; jornais Folha de Pernambuco, Jornal do Commercio, Diario de Pernambuco e AquiPE. Os VTs para televisão também serão mostrados antes das sessões dos cinemas Multiplex UCI Ribeiro dos shoppings Recife e Tacaruna, UCI Kinoplex Plaza, Cine Rosa e Silva. O Multiplex Boa Vista vai divulgar os jingles em seu portal de voz.

No interior, a divulgação da campanha está garantida através das emissoras associadas à Associação das Empresas de Radiodifusão de Pernambuco (Asserpe), que fará a distribuição do material. Outdoors cedidos pelas empresas Stampa e Inforp também veicularão as peças. Já a empresa Capibaribe Malhas doou as camisetas relativas à campanha.

“A adesão das agências e dos veículos de comunicação só vem confirmar a importância que o tema da poluição sonora desperta em toda a sociedade, demonstrando que todos os segmentos, nos setores público e privado, bem como a sociedade civil organizada, estão envolvidos nesse projeto”, avalia o coordenador da campanha e do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Meio Ambiente, promotor André Silvani.

O secretário executivo de defesa social, Cláudio Lima, também participou da coletiva e garantiu que o órgão está tomando as medidas necessárias para intensificar a Operação Sossego, que tem se focado especificamente sobre a poluição sonora.

Para o Ministério Público, a conscientização dos cidadãos pernambucanos quanto à poluição sonora está apenas começando e deve ser uma atuação permanente, envolvendo o Estado, municípios e todos os setores da sociedade civil. Quem quiser ser parceiro do MPPE nesta mobilização, pode e deve trazer suas sugestões para a instituição.

 

FICHA TÉCNICA DA CAMPANHA

AGÊNCIAS: italobianchicom e Mart Pet

PLANEJAMENTO: Giuliano Bianchi e Edison Martins

ATENDIMENTO: Gabriela Oliveira

CRIAÇÃO: Diego Curvelo, Paulo Cabral e Nathalia Queiroz

PRODUTORA DE SOM: Audiola, Onomatopeia e Via Brasil

PRODUTORA DE VÍDEO: Opara Filmes

DIREÇÃO DE VÍDEO: José Eduardo Migliori

FOTOGRAFIA: Max Levay

SITE: Fishy

 

Vídeo educativo e reedição da cartilha reforçam campanha

A mobilização contra a poluição sonora passa a contar também com um vídeo educativo produzido com recursos do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e que será utilizado em seminários, palestras e apresentações sobre o tema. Com 10 minutos e com linguagem leve, o vídeo mostra desde a definição do problema – afinal, o que é poluição sonora? – e explica, passo a passo, o que o cidadão pode fazer caso se sinta prejudicado pelo ruído alheio.

O filme é pontuado por entrevistas a cidadãos que sofrem com o problema, além de especialistas de várias áreas – incluindo médico, policial militar, delegada, promotores de justiça, juízes. O roteiro tomou como base a cartilha “Poluição sonora – Silento e o barulho”, cuja primeira edição, com três mil exemplares, teve distribuição esgotada em poucos dias.

Uma segunda tiragem da cartilha, com mais 10 mil exemplares, já está sendo realizada pelo MPPE com recursos próprios. Além das orientações gerais sobre o tema, a publicação vem com o CD contendo modelos de ofícios e comunicados que podem ser utilizados pela vítima de poluição para acionar os órgãos de fiscalização. Atualmente, o MPPE busca parcerias com setores da indústria local para reimprimir novas tiragens da publicação.

A cartilha também pode ser baixada em formato PDF através do sitewww.somsimbarulhonao.com.br.